[ Novidades ]

Home » Novidades » O seu site é deficiente? Entenda sobre acessibilidade na web
Inscreva-se em nosso canal no Youtube Daviwp


O seu site é deficiente? Entenda sobre acessibilidade na web

09/07/2015 Novidades | Usabilidade (0) comentário

No início da semana dia 06 de julho foi sancionado o Estatuto da Pessoa com Deficiência, o artigo diz que: “É obrigatória a acessibilidade nos sítios da internet mantidos por empresas com sede ou representação comercial no País ou por órgãos de governo, para uso da pessoa com deficiência, garantindo-lhe acesso às informações disponíveis, conforme as melhores práticas e diretrizes de acessibilidade adotadas internacionalmente”.

Nos como bons desenvolvedores sempre tornamos nossos projetos acessíveis certo? Não, nem sempre… Esse é um assunto desconhecido por muitos que por sua vez contribuem com a proliferação de sites sem diretrizes de acessibilidade. Atitudes simples como utilizar o atributo ALT em imagens já faz uma diferença gigantesca. Vale lembrar também que sites bem construídos e mais acessíveis possuem um melhor SEO, ou seja, indexam melhor no Google!

Acessibilidade na web vai além de tornar um site mais fácil de ser usado, um site acessível gera uma experiência melhor, proporciona à pessoas com deficiência autonomia para participar da web. Lembro-me quando um professor de ergonomia na faculdade disse a seguinte frase: “A deficiência não está nas pessoas, e sim no ambiente “, é nossa obrigação como desenvolvedores/designers promover um ambiente acessível a todos na web.

Se você quer contibuir para uma web mais acessível e não sabe por onde começar, aconselho dar uma olhada na Cartilha de acessibilidade na web da W3C, será uma leitura rápida e muito bem ilustrada! 😀

Mas calma, se você quer apenas conhecer as diretrizes, basta acessar o (WCAG) 2.0 Web Content Accessibility Guidelines e ajudar também!

 

Léo Velozo

Designer e desenvolvedor web desde 2011, Leonardo é um amante de usabilidade e acessibilidade. Já lidou com usuários de diversos segmentos e acredita que a culpa não é deles. Atualmente gradua Design e é front-end engineer na Quartel.